domingo, 12 de Julho de 2020  01:32
PESQUISAR 
LÍNGUA  

Portal D'Aveiro

Publicidade Prescrição eletrónica (PEM), Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica (MCDT), Gestão de Clínicas 3 Flores

Inovanet


RECEITA SUGESTÃO

Bacalhau Recheado com Presunto

Bacalhau Recheado com Presunto

Abrem-se as postas de bacalhau a meio, que têm de ser grossas, deixando um dos extremos fechado. Recheiam-se com fatias ...
» ver mais receitas


NOTÍCIAS

imprimir resumo
26-03-2020

Ex-trabalhadores da Frapil recebem nos próximos dias os salários em atraso há 35 anos.



É o final formal de um processo com mais de 30 anos.

Os ex-trabalhadores da Frapil ou os familiares dos que já morreram recebem nos próximos dias parte dos salários em atraso há 35 anos.

Em declarações à Lusa, o coordenador da União dos Sindicatos de Aveiro (USA), Adelino Nunes, disse que os primeiros a receber os cheques foram os ex-trabalhadores da Frapil que tinham advogados particulares.

O dirigente sindical adiantou ainda que o administrador judicial também já enviou os cheques para a USA para distribuir pelos cerca de 200 trabalhadores representados pelos sindicatos no processo de insolvência.

"O administrador de insolvência mandou os cheques para os sindicados na segunda-feira e estamos a fazer as declarações para os trabalhadores assinarem quando vierem cá receber os cheques", disse Adelino Nunes.

O dirigente sindical referiu que vão começar a chamar na quinta-feira os trabalhadores para entregar os cheques, "dentro das condicionantes que o estado de emergência permite".

Vendido o último terreno da massa falida, foram assegurados pagamentos de dívidas à Segurança Social, Centro de Emprego e aos cerca de 200 de ex-trabalhadores e herdeiros.

A Frapil, empresa de fabrico de motores e alternadores eléctricos de Aveiro, entrou em falência em 1995, deixando uma dívida aos trabalhadores de cerca de 2,5 milhões de euros, a título de salários e subsídios que estavam por pagar desde 1985.

Devido à demora judicial no processo de falência, o Estado Português foi condenado por duas vezes, em 2000 e 2019, pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem a pagar uma indemnização a cada trabalhador lesado.

 

Texto: Lusa

 


ACESSO

» Webmail
» Definir como página inicial

Publicidade

TEMPO EM AVEIRO


Inovanet
INOVAgest ®